Archive for the ‘Arte Gótica’ Category

GUIMARÃES (Portugal): Padrão do Salado.

Foi erguido no século XIV por iniciativa de Afonso IV de Portugal para comemorar a vitória na Batalha de Salado, em 1340. O soberano participara nesta batalha em apoio ao enteado Afonso XI de Castela, auxiliando-o a defender-se de uma armada muçulmana.
Alpendre de planta quadrangular aberto, constituído por 4 arcos quebrados lavrados, assentes em colunas com capitéis lavrados, encimados pelo escudo Real. Os arcos, sobrepujados por empena, limitam uma cobertura em abóbada de granito. Abriga um cruzeiro assente num soco circular de dois degraus. O cruzeiro policromado representa Cristo Crucificado de um lado e a Virgem Mãe sob baldaquino do outro. Num plano inferior no fuste da Cruz: 4 esculturas, representando São Vicente Apóstolo, São Filipe Mártir, São Torcato e o Anjo da Guarda.

Info:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Padrão_do_Salado
http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=764

GUIMARÃES (Portugal): Paço dos Duques de Bragança.

GUIMARÃES (Portugal): Paço dos Duques de Bragança.

Foi mandado construir em 1420 pelo conde de Barcelos, D. Afonso, filho bastardo de D. João I. O desenho do paço inspirou-se fortemente nas grandes casas senhoriais francesas. Entre 1937 e 1959, foi alvo de profundas obras de restauro e reedificação com resultados algo polémicos sobre os critérios adotados relativamente à sua reconstituição.
Atualmente, o paço está convertido em palácio-museu.

 

PONTE DE LIMA (Portugal): Capela do Anjo da Guarda e ponte Romana / Medieval.

PONTE DE LIMA (Portugal): Capela do Anjo da Guarda e ponte Romana / Medieval.

A capela é um padrão quadrangular de cantaria, abobadado, aberto por três arcos, ostentando embutida na parede do fundo uma antiquíssima figura humana, de granito, que dizem representativa do Anjo da Guarda.

PONTE DE LIMA (Portugal): Paço do Marquês.

PONTE DE LIMA (Portugal): Paço do Marquês.

O Paço do Marquês data do séc. XIV/XV (a data provável de construção é 1464), edifício de estilo gótico e manuelino. Foi a residência de D. Leonel de Lima, Senhor que tinha foros no concelho, Alcaide de Ponte de Lima e Visconde de Vila Nova de Cerveira.
D. Leonel de Lima era filho de Fernão Eanes de Limia, fidalgo galego que apoiou D. João I no cerco contra Castela. Foi figura importante entre os fidalgos. D. Afonso V atribuiu-lhe o título de Alcaide- Mor de Ponte de Lima. Com autorização de D. Afonso V, mandou construir o Paço do Marquês para sua residência e deu-lhe a forma de castelo, pois o objetivo era ter forma de defesa na luta contra os castelhanos.
A Antiga Alcaidaria-Mor funciona atualmente como posto de informação turística e, simultaneamente, mostra e venda de artesanato. Incorpora, ainda, um núcleo museológico.

info: www.pontedelima.com/

PONTE DE LIMA (Portugal): Igreja Matriz.

PONTE DE LIMA (Portugal): Igreja Matriz.

Antes do atual edifício paroquial de Ponte Lima, outro existiu, de prováveis raízes românicas (edificado pelos séculos XII-XIII) e de estrutura modesta, com apenas uma nave, a que Carlos Alberto Ferreira de Almeida atribuiu o registo inferior da fachada principal, incluindo o portal (ALMEIDA, 1978, vol. 2, p.253 e 1987, p.102). É um facto que existem grandes diferenças estéticas entre os elementos que compõem a fachada principal, mas não estamos ainda em condições de atribuir o portal a essa época tão recuada, para mais sabendo-se como o Gótico foi destituído de rasgos monumentais no Norte do país, fazendo da sobriedade e do arcaísmo estilístico um valor artístico de primeira importância.
A igreja que hoje conhecemos data de meados do século XV. Em 1444, nas Cortes de Évora, os procuradores de Ponte de Lima declararam que a Igreia uelha era tam pequena Em que nom podiamos caber (ANDRADE, 1990, p.59, nota 67). O facto de, aqui, se utilizar uma forma verbal do passado, faz supor que a construção do novo templo se havia já iniciado. Os recursos financeiros foram proporcionados por D. João I e pelo regente D. Pedro e a empreitada prolongou-se até à década de 50.
Desconhecemos ainda como teria sido o projeto quatrocentista do conjunto, uma vez que foram muitos os acrescentos posteriores verificados. Uma interpretação veiculada nos anos 70 do século XX dá conta da possibilidade de ter existido uma reformulação do projeto, sensivelmente um século depois de concluído. Segundo essa perspetiva, a campanha quatrocentista havia edificado uma igreja de nave única – a que corresponde o portal -, e só a partir de meados do século XVI se deu corpo à estrutura tripartida que ainda hoje existe (Inventário, 1974, p.2).
Fosse como fosse, o certo é que a renovada Matriz de Ponte de Lima ocupa um lugar relativamente marginal na evolução do estilo Gótico em Portugal. O portal é de quatro arquivoltas reentrantes, uma delas decorada com semiesferas (um motivo que pode bem corresponder ao século XV). Os capitéis, por seu turno, são maioritariamente vegetalistas, de folhagem muito presa ao campo escultórico e elementos tratados sumariamente. A rosácea radiante é, como se verá, um produto do restauro.

info: www.igespar.pt/

SALAMANCA (Espanha): Fachada do Pátio das Escolas.

SALAMANCA (Espanha): Fachada do Pátio das Escolas.

A fachada das Escolas Maiores está dividida em três corpos:
O primeiro contém o medalhão dos Reis Católicos que empunham o mesmo cetro. Sobre as suas cabeças temos o jugo de Fernando e as flechas de Isabel. O segundo contém, no centro, o escudo de Carlos V, rematado com uma cruz sobre uma coroa. À direita a águia de São João e dos Reis Católicos, à esquerda a águia bicéfala do Império. No terceiro corpo há uma capelinha.
A sua construção foi dedicada aos Reis Fernando e Isabel em 1534.

SALAMANCA (Espanha) - Fachada da Catedral.

SALAMANCA (Espanha) - Fachada da Catedral.

A fachada principal é muito profusa em detalhes em que se destacam as principais cenas do Nascimento e da Epifania. No alto vê-se Cristo crucificado, flanqueado pelas figuras de Pedro e Paulo.

SALAMANCA (Espanha): Vista noturna da Catedral "Nova".

SALAMANCA (Espanha): Vista noturna da Catedral "Nova".

Iniciou-se a construção da Catedral Nova, adossada à Velha, em 1513 e só foi inaugurada em 1733. Assim, a sua construção iniciou-se em estilo gótico e apesar de manter alguma unidade estilística sofreu influências de outros estilos como o renascentista e barroco.
Esta catedral é, conjuntamente com a de Segóvia, uma das últimas catedrais em estilo gótico que se construíram em Espanha.
A planta mantém uma uniformidade gótica como se pode ver na presença exterior de arcobotantes e contrafortes e, no interior, o alçado das naves.

ÁVILA (Espanha): Tímpano do portal dos apóstolos da catedral.

ÁVILA (Espanha): Tímpano do portal dos apóstolos da catedral.

No tímpano do chamado portal dos Apóstolos, da catedral de Ávila, representa-se o Pantocrator como tema central, dentro da mandorla, com duas filas de anjos nos lados, guardadores do Senhor e carregando os símbolos da Paixão. O tímpano encerra com a coroação da Virgem, sendo o próprio Cristo encarregado de colocar a coroa na Mãe. As figuras do dintel representam cenas de difícil interpretação (reconhece-se o Lavatório e a cena de Cristo em casa de Leví). As arquivoltas estão preenchidas com os anciãos do Apocalipse, santos a ler, a ressurreição dos mortos, composições protagonizadas por demónios, monjas e eclesiásticos.
Nas jambas representam-se os apóstolos (seis de cada lado).

ÁVILA (Espanha): Portal principal da catedral.

ÁVILA (Espanha): Portal principal da catedral.

Na fachada principal sobrepõem-se elementos góticos e barrocos. O portal principal é flanqueado por duas torres, uma delas inacabada, o que dá um aspeto de igreja-fortaleza a esta catedral.

Subscribe to Arte Medieval