COIMBRA (Portugal): Sé Velha

COIMBRA (Portugal): Sé Velha

A Sé Velha de Coimbra é uma construção do séc. XII onde se insere um claustro do século seguinte. Os diversos elementos ou corpos que compõem este monumento, designadamente, portal, janelas, capitéis e galerias, fazem dele um dos mais importantes exemplos do românico português.Inscreve-se no Românico afonsino da cidade, que corresponde, grosso modo, ao reinado de D. Afonso Henriques, período de maior esplendor das oficinas românicas de Coimbra, mas simultaneamente de início de decadência e de estagnação das soluções estruturais e decorativas que caracterizam a produção românica desta cidade.
O templo, de três naves, transepto ligeiramente saliente, torre lanterna sobre o cruzeiro e cabeceira tripartida, significa uma ruptura para com o esquema de catedrais românicas seguido até então no nosso país (Braga e Porto) e constitui um ponto de partida da chamada tipologia de catedrais do Sul (Coimbra, Lisboa e Évora). Para este facto muito terá contribuído a acção de Mestre Roberto, arquitecto de origem francesa que trabalhou também na Sé de Lisboa e em Santa Cruz de Coimbra, e que se deslocou, pelo menos duas vezes, à Catedral coimbrã para resolver problemas estruturais.
De todo este projecto inicial destaca-se a profusão de capitéis decorados com temas vegetalistas e animalistas, no que constitui o mais rico programa iconográfico do Românico português e, especialmente, a configuração de fortaleza da fachada principal, organizada segundo um esquema compacto tripartido, com o corpo central avançado e duas poderosas torres inscritas na massa fortificada, toda ela terminando em ameias.
A fachada principal está orientada a Oeste, em 2 registos separados por cornija, com corpo médio avançado e escadaria de acesso, 2 panos laterais e contrafortes angulares; no corpo do meio abre-se portal reentrante de arcos apoiados em colunas de capitéis decorados, sobrepujado por janelão do mesmo tipo com patamar exterior prolongado pela cornija divisória dos registos, sobre arcatura decorada apoiada em cachorros ornados; nos panos laterais abrem-se frestas simples em baixo e janelas geminadas de colunelo medial em cima, acompanhadas aos lados por um arco cego com 2 colunelos.

Add A Comment

Subscribe to Arte Medieval