Igreja de Santa Clara

VILA DO CONDE (Portugal): Igreja de Santa Clara
VILA DO CONDE (Portugal): Igreja de Santa Clara

Mandado edificar em 1318 por D. Afonso Sanches (filho bastardo de D. Dinis) e sua mulher, D. Teresa de Menezes, o Convento de Santa Clara é um templo fundamental do Gótico português a Norte do Douro, não obstante as numerosas alterações a que foi sujeito ao longo dos séculos. O conjunto monumental domina o centro histórico da vila – edificando-se no local onde se pensa ter existido o castelo dos Condes de Cantanhede, senhores do burgo.
A austeridade e monumentalidade exteriores lembram, em parte, os primeiros exemplos de arquitectura mendicante clarissa do país, especialmente a fachada ocidental, onde o único elemento é a rosácea radiante, inscrita num enorme muro compacto, delimitado por dois contrafortes.
A cabeceira e a sua implantação num terreno irregular é outro aspecto interessante da igreja. Exteriormente, apresenta-se como uma fortaleza, com as janelas muito altas e a estrutura coroada por ameias, sugestão reforçada pela existência de poderosos contrafortes, que ajudam a vencer o desnível do terreno. Interiormente, porém, a rigidez formal é assumida de forma proporcional, com os absidíolos bastante mais baixos que a capela-mor.
Do mosteiro original resta a igreja.

Mosteiro de Santa Cruz

COIMBRA (Portugal): Mosteiro de Santa Cruz
COIMBRA (Portugal): Mosteiro de Santa Cruz

A construção do Mosteiro de Santa Cruz teve início em 1131, sendo a primeira escola de estudos superiores em Portugal. Todavia, o templo actual é uma construção manuelina iniciada no século XVI. Nele trabalharam alguns dos melhores artistas da época: Boytaca, João de Ruão, Filipe Hodart, Nicolau Chanterenne, entre outros. Aqui estão sepultados os dois primeiros Reis de Portugal. O interior da igreja é de uma só nave, com quatro tramos.

Padrão do Salado e Igreja da Oliveira

GUIMARÃES (Portugal): Padrão do Salado e Igreja da Oliveira
GUIMARÃES (Portugal): Padrão do Salado e Igreja da Oliveira

A Igreja da Oliveira remonta ao século X, fundada pela condessa Mumadona Dias. Contudo, o templo actual é obra do final do XIV, estando a sua origem ligada aos acontecimentos da crise de 1383-85, em homenagem a Nossa Senhora da Oliveira a quem D. João I se encomendara antes da Batalha de Aljubarrota.
O Padrão do Salado (ou de Nossa Senhora da Vitória) foi erigido em 1342, no reinado de D. Afonso IV, para comemorar a participação portuguesa na Batalha do Salado. O monumento é constituído por um alpendre gótico em granito, que abriga um cruzeiro em calcário dourado.