BARCELONA (Espanha): Vitral da catedral.

BARCELONA (Espanha): Vitral da catedral.

Os vitrais representam a expansão e consolidação definitiva da arte gótica em toda a Europa. Constituem-se como uma nova expressão artística, uma espécie de ‘pintura’ monumental, contrariamente aos vitrais românicos que tinham de se adaptar às estreitas frestas e janelas impostas pela arquitetura

Na catedral de Barcelona os vitrais localizam-se no Presbitério. As mais antigas são do século XIV de autoria anónima. A da foto pertence provavelmente a Nicholi de Maraya, inícios do século XV, um belo expoente do gótico internacional.
BARCELONA (Espanha): Coro capitular da catedral.

BARCELONA (Espanha): Coro capitular da catedral.

As obras do coro capitular começaram em 1390 sob o mandato do bispo Ramon d’Escales. As paredes foram feitas por Jordi de Déu, com mísulas representando profetas do Antigo Testamento. O cadeiral ficou a cargo de Pere Sanglada, tendo como ajudantes Pere Oller e Antoni Canet. Os medalhões, dos apoios braçais, têm as esculturas mais interessantes, com temas variados como: cenas de dança, jogos e música entre outras. Contrariamente ao esperado, os religiosos são os menos representados.
Os trabalhos no cadeiral prolongam-se até ao século XVI. Em 1459 são acrescentadas 48 cadeiras da autoria de Matías Bonafé. Em 1483 o alemão Michael Lochner inicia os trabalhos de talha dos dosséis em forma de pináculos, que serão terminados em 1497, já após a sua morte. Em 1519 Joan de Burgunya foi encarregado de pintar a heráldica dos 64 lugares junto à parede do cadeiral.

BARCELONA (Espanha): Interior do zimbório da catedral.

BARCELONA (Espanha): Interior do zimbório da catedral.

O zimbório, desenhado pelo arquitecto August Font e Carreiras, tem uma altura de 70 metros e foi construído entre os anos 1906 e 1913. O coroamento exterior do zimbório conclui com a imagem de Santa Elena, mãe de Constantino, que segundo a lenda reencontrou a Vera Cruz.

BARCELONA (Espanha): Cabeceira da Catedral.

BARCELONA (Espanha): Cabeceira da Catedral.

As naves circulares unem-se em charola, passando por trás do presbitério e formando um arco semicircular, onde se alojam novas capelas; acima destas capelas temos grandes vitrais e um falso trifório de onde se pode ver as chaves de volta a uma distância de uns três metros.
Em baixo, o altar-mor consagrado no ano 1337 pelo bispo Ferrer Abeja (1335-1344). Ao fundo e a altura média das colunas centrais pode-se ver a imagem da exaltação da Cruz rodeada por seis anjos, do escultor Frederic Marinho e Deulovol, realizada no ano 1976.

BARCELONA (Espanha): Cripta de Santa Eulália, padroeira de Barcelona (Catedral).

BARCELONA (Espanha): Cripta de Santa Eulália, padroeira de Barcelona (Catedral).

A cripta encontra-se situada debaixo do presbitério da catedral de Barcelona e a sua construção deve-se a Jaume Fabré, em princípios do século XIV.
A sua entrada é feita por uma ampla escada debaixo de um arco quase plano, ornado ao centro com o retrato de um bispo, que parece ser Ponç de Gualba, sob o mandato do qual se construiu esta cripta, e ao seu redor grupos de pequenas cabeças de personagens da época.
A cripta está dividida em doze arcos que vão todos convergir a uma grande chave de volta central, que representa a Mãe de Deus com o Menino Jesus que lhe coloca o diadema do martírio a Santa Eulália. Foi acabada no ano 1326, ainda que a transladação dos restos da santa se tenha feito apenas em 1339.
O sarcófago de alabastro, do escultor Lupo dei Francesco, encontra-se exposto a seguir à mesa do altar, no centro da cripta, sustentado por oito colunas de estilos diferentes com capitéis coríntios dourados. A tampa e os lados do sarcófago estão preenchidos com cenas do martírio de Santa Eulália. Nos quatro ângulos superiores há anjos-luz e ao centro uma Virgem com Menino. Na parede do fundo, guarda-se o seu antigo sepulcro do século IX, junto com uma inscrição do ano 877 sobre o achado das relíquias. A transcrição das placas diz o seguinte: Aqui repousa Santa Eulália, mártir de Cristo, que sofreu na cidade de Barcelona, sob a presidência de Dacia, no dia segundo dos idos de fevereiro e foi encontrada pelo bispo Frodoí, na igreja de Santa Maria o (…) das calendas de novembro. A Deus obrigado.

A presença de uma cripta não é habitual nas catedrais góticas, mas considera-se que em Barcelona optou-se por manter a organização da catedral românica, que tinha no mesmo lugar a cripta com o sepulcro de santa Eulália.

Fonte: Wikipedia

Subscribe to Arte Medieval