O Mosteiro de Pombeiro é fundado, segundo a tradição, em 1059, apesar da mais antiga referência documental conhecida apontar para o ano de 1099.

Pombeiro é, todavia, uma das mais antigas instituições monacais do território português, estando documentada desde 853, segundo PAF, do IPPAR – Instituto Português do Património Arquitetónico. No entanto, do primitivo estabelecimento nenhum elemento material foi, até ao momento, identificado. Tratava-se, com grande probabilidade, de um edifício modesto, eventualmente vinculado à autoridade asturiana e localizado no lugar do Sobrado, medievalmente designado por Columbino.

Já as origens do atual edifício são conhecidas desde a época de D. Fernando, o Magno. Segundo Graf, em 1041, o Mosteiro sofre a transferência para a sua atual localização, sendo erguido o primeiro conjunto a partir de 1059, monumento do qual nada chegou até aos nossos dias. No entanto, é neste período condal que ocorre a já referida doação de D. Egas Gomes de Sousa e a concessão da Carta de Couto de D. Teresa.

 

A localização do Mosteiro, na interseção de duas das principais vias medievais da época – uma que ligava o Porto a Trás-os-Montes, por Amarante, e uma segunda que ligava a Beira a Guimarães e Braga, atravessando Lamego e o Douro em Porto de Rei – evidencia a significativa importância deste conjunto monástico Beneditino na região. É nestes espaços que os reis se instalam nas suas viagens e nos quais os peregrinos se albergam e recebem assistência.

Os Beneditinos, com o forte apoio dos Sousões de Ribavizela, impulsionam o arranque da construção românica, cuja datação deverá residir ao longo da segunda metade do século XII, ou nas primeiras décadas do século XIII. Rodrigues refere a existência da inscrição datada de 1199 no exterior da face sul do transepto, na qual é mencionado o suposto fundador da obra, D. Gonçalo de Sousa.

Após o término das obras na fachada principal, a frontaria recebeu uma galilé de três naves, destinada ao enterramento dos nobres de Entre-Douro-e-Minho, embora das tumulações efetuadas restem apenas dois túmulos românicos, atualmente localizados no interior do templo, e atribuídos, de acordo com Barroca, a um desconhecido nobre da família dos Lima e a D. João Afonso de Albuquerque.

Já na Idade Moderna, Pombeiro foi objeto de profundas modificações, a maioria das quais ocorridas no período Barroco. Uma das alas do claustro data de 1702, século ao longo do qual se realizaram a nova capela-mor, o coro alto, o órgão, as numerosas obras de talha dourada, as duas torres que flanqueiam a frontaria e uma parte das alas monacais.

Os claustros foram alvo de remodelação nos inícios de Oitocentos, com uma campanha neoclássica, interrompida em 1834, com a extinção das ordens religiosas.

info: http://www.rotadoromanico.com/ (adaptado)

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja de Santa Maria (matriz de Airães).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja de Santa Maria (matriz de Airães).

O pórtico, inserido num corpo avançado em gablete, apresenta quatro arquivoltas de arestas vivas e colunelos de capitéis e bases decorados, com fustes lisos, cilíndricos os interiores e os intermédios, prismáticos os exteriores.
As colunas apresentam bases decoradas com círculos, losangos e elementos vegetalistas, complementadas com garras e máscaras, fustes redondos à exceção de um, prismático, ornamentado com máscaras e capitéis, com padrões comuns à bacia do Sousa, com decoração de inspiração vegetalista, nomeadamente cogulhos, acantos e entrançados, já de feição protogótica.

 

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja de Santa Maria (matriz de Airães).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja de Santa Maria (matriz de Airães).

A sua fundação remonta ao século X. Tem origem românica, de que conserva o seu principal prospecto, tendo sofrido alterações nos séculos XVII e XIX. O portal principal e a capela-mor são os mais significativos elementos medievais subsistentes.
O pórtico, inserido num corpo avançado em gablete, apresenta quatro arquivoltas de arestas vivas e colunelos de capitéis e bases decorados, com fustes lisos, cilíndricos os interiores e os intermédios, prismáticos os exteriores.

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador (matriz de Unhão)

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador (matriz de Unhão)

O portal tem colunelos de fustes cilíndricos e oitavados com capitéis e bases decorados com motivos vegetalistas (Séc. XII).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador (matriz de Unhão).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador (matriz de Unhão).

O portal apresenta quatro arquivoltas lisas de arco perfeito apoiadas em colunelos de fustes cilíndricos e oitavados com capitéis e bases decorados. O tímpano é vazado, formando uma cruz. A arquivolta exterior é emoldurada por um arco com decoração enxaquetada.

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador, matriz de Unhão

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador, matriz de Unhão

Unhão é um importante templo do Vale do Sousa, que deflecte bem a importância e o alcance do processo de povoamento desta região em pleno século XIII. Um primitivo templo foi sagrado pelo Bispo de Braga em 1165, mas o que hoje podemos observar corresponde certamente a uma reforma posterior verificada nas primeiras décadas do século XIII – ou a um continuado e lento processo edificador iniciado nesse ano de 1165?
É um templo de modestas proporções, de nave única e capela-mor retangular, fachada principal, orientada a Oeste, em empena truncada, coroada por pináculos e cruz sobre base decorada ao centro cujo principal motivo de interesse reside no seu portal principal. Este é inscrito em gablete e compõe-se de quatro arquivoltas de arco de volta perfeita, decoradas com motivos geométricos e vegetalistas (a exterior em forma de moldura de enxaquetados), que enquadram um tímpano preenchido com a típica cruz de malta, envolvida por cordagens entrelaçadas, vazada de tradição bracarense.

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador (matriz de Unhão).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja do Salvador (matriz de Unhão).

Templo de construção românica cuja sagração remonta a 1165. Todavia, os elementos românicos, agora patentes no edifício, apresentam características mais tardias. A fachada principal, alterada na época barroca, é encimada por pináculos e uma cruz.

FELGUEIRAS (Portugal): Tímpano da porta sul da Igreja de São Vicente Mártir (matriz de Sousa).

FELGUEIRAS (Portugal): Tímpano da porta sul da Igreja de São Vicente Mártir (matriz de Sousa).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja de São Vicente Mártir (matriz de Sousa).

FELGUEIRAS (Portugal): Igreja de São Vicente Mártir (matriz de Sousa).

Apresenta características do românico final. Os capitéis e impostas dos colunelos do pórtico principal são esculpidos com elementos vegetalistas e geométricos.

FELGUEIRAS (Portugal): Pórtico principal da Igreja de São Vicente Mártir (matriz de Sousa).
FELGUEIRAS (Portugal): Pórtico principal da Igreja de São Vicente Mártir (matriz de Sousa).

Apresenta características do românico final. O pórtico principal, encaixado em corpo avançado ligeiramente gabletado, tem arco de quatro arquivoltas ornamentadas, a exterior com curiosos elementos estrelados.

Tímpano do portal da Igreja de São Vicente Mártir com uma cruz vazada

Tímpano do portal da Igreja de São Vicente Mártir com uma cruz vazada.

Subscribe to Arte Medieval