Castelo de Tomar

TOMAR (Portugal): Castelo de Tomar.
TOMAR (Portugal): Castelo de Tomar.

Situado sobre um cerro alto e escarpado na margem direita do rio Nabão, o castelo de Tomar foi fundado por D. Gualdim Pais, mestre dos Templários, em 1160, para defesa da vasta região então denominada Termo de Ceras, doada aos Cavaleiros do Templo por D. Afonso Henriques. Tomar tornou-se assim a sede da província portuguesa da Ordem do Templo, até à sua extinção em 1312 e, a partir de 1357, sede da Ordem de Cristo.
Com influências da mais avançada arquitetura militar da época, a partir da experiência adquirida pelos Templários na Terra Santa em construção de cidadelas fortificadas, o castelo integrou o sistema defensivo-ofensivo da Reconquista.

TOMAR (Portugal): Castelo de Tomar.
TOMAR (Portugal): Castelo de Tomar.

De acordo com esses preceitos de estratégia militar, o castelo desenvolveu-se em três recintos muralhados distintos que uma cintura de muralha envolvia, delimitando o seu perímetro exterior. Duas cortinas de muralha interiores atravessavam a grande cintura periférica, estruturando os três recintos do lugar acastelado, sendo que a maior dessas cortinas de muralhas ia das imediações da atual entrada para as “Capelas Incompletas” até junto da Torre de D. Catarina, e que hoje se encontra transformada no muro de suporte das terras que formam o terreiro do jardim. A segunda cortina interna de muralhas estendia-se desde a fachada Leste da Charola até à zona Sul da Alcáçova.
O núcleo primitivo, reduto dos Cavaleiros Templários, era constituído, pela Alcáçova, com a sua Torre de Menagem, onde se reutilizaram lápides romanas, e pela denominada Charola. Esta consistia num templo redondo que se tornou no núcleo irradiador do Convento de Cristo e que, pela sua localização e características construtivas (paredes duplas) era, no conjunto da cidadela, um local praticamente inexpugnável.

Fonte: e-cultura.pt